Contato para shows e eventos:

Mão de Obra Produções

Tel: 55 (31) 3087-7802 55 (31) 99201-9114

maodeobraproducoes@gmail.com

 

 

  • Instagram - White Circle
  • Facebook - White Circle
  • YouTube - White Circle
Contrastes socioculturais e existenciais da sociedade contemporânea são pontos conceituais das obras.

Seguro Desespero é o novo trabalho do artista Raphael Ferreira que se constitui de um disco com composições autorais e trabalhos audiovisuais, incluindo fotografia e videoarte. Por permear vários suportes artísticos se torna uma obra em processo,  que já se concretizou em forma de uma série fotografias conceituais em contraluz e vídeoarte.

 

O disco de art rock traz influências de lounge, rock e ritmos tropicais. Produzido coletivamente com o guitarrista de blues rock Alexandre da Mata, o jazzista Tiago Araújo e o baterista Tom Santiago, o disco conta com Raphael Ferreira nos vocais e vários artistas convidados. Elementos do livro O Povo Brasileiro de Darcy Ribeiro e da poesia de Drummond são algumas das influências do trabalho do artista que busca sintetizar a diversidade cultural em várias obras e suportes.

Contrastes  socioculturais da sociedade contemporânea são os principais pontos conceituais do Seguro Desespero. Com influência do livro O Povo Brasileiro de Darcy Ribeiro, Raphael Ferreira trouxe composições de sua autoria e parcerias com Rômulo Coppe, Thiago Machado e Thiago Vetromille. O disco foi batizado de Seguro Desespero pois foi baseado na condição em que o artista estava quando sua produção teve início.  

A estética das músicas traduzem a fusão de elementos, característica marcante na música popular brasileira e no art rock. A canção Seguro Desespero trata da estratificação e sazonalidade cultural da sociedade brasileira. Combina ritmos nordestinos com sons orquestrais e alt-country. Meu Benzinho trata da relação de posse e busca pelos valores materiais, da sociedade de consumo. Com influências de Pedra no Caminho de Drummond mistura a poesia mineira com rock sulista, country e soul. Aquela Canção é um grito de rebeldia ao modo de vida tradicional de pressão da sociedade contemporânea, mistura elementos vocais do Clube da Esquina, folk e nujazz.  Eu Confesso faz referência ao mundo boêmio, com influências de bossa, blues, bolero e reggae. Conspiração traz elementos de guitarrada paraense acrescido de ritmos baianos e rock e trata da diversidade sexual e a necessidade de se respeitar cada gênero. Do seu jeito  faz referências as relações amorosas tóxicas e seus conflitos. Com elementos de xote, reggae, blues e nujazz traz uma estética pop e complexa com destaque para solos de baixo e camadas de slides. Ato falho entra no mundo das máscaras sociais e traz elementos de samba rock, lounge e funk.

O Seguro Desespero  é essa mistura de referências e elementos assim como a formação da nação brasileira. Elementos regionais e globais contrastantes que em diálogo resultam nesta obra híbrida.

 

Produção artística

A produção do disco autoral O Seguro Desespero traz as suas prinicipais influências de MPB, Lounge e Rock. Para amalgamar os ritmos, a produção musical foi desenvolvida coletivamente. Raphael Ferreira trabalhou em conjunto com grandes músicos mineiros. O jazzista Tiago Araújo (Baixo e teclados), o guitarrista de blues rock Alexandre (Guitarras e Violões) e o baterista e percussionista Tom Santiago constituíram a sonoridade que busca sintetizar uma cozinha de nujazz com guitarras e vocais rock. Tiago deu as nuances de shuffle e pop e progressivo junto de Tom Santiago que trouxe elementos de nujazz e ritmos latinos, formando a base da cozinha. Alexandre acrescentou harmonias complexas e guitarras com influências de rock e blues, com slides e fraseados de blues, alavancadas e sons valvulados. Raphael fez o crossover vocal misturando influências de rock e crooning, além das misturas rítmicas das composições. O disco ainda conta com vários artistas convidados, como o Maestro Leonardo Cunha nos teclados de Eu Confesso, Ravel Lanza nos violinos de Seguro Desespero e Nelson Pombo na percussão em Conspiração. A mixagem e masterização foram produzidas por Gustavo Parreiras, em parceria com César Santos. Influenciados  pelo rock inglês, utilizaram elementos vintage e atuais para alcançar uma sonoridade contemporânea.